segunda-feira, 17 de abril de 2017

Choveu menos no Estado nesse Domingo de Páscoa

Dados
Neste Domingo de Páscoa houve uma redução da chuva no Ceará em comparação com os dias anteriores. A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) registrou precipitações em apenas 15 municípios entre as 7h de sábado e 7h de ontem. As três maiores foram observadas em Russas (33mm), Lavras da Mangabeira (25mm) e Várzea Alegre (11.2mm). Até ontem, o Ceará tinha 11 açudes sangrando. A Funceme prevê para hoje, segunda-feira, possibilidade de chuva isolada na faixa litorânea e no Sul do Ceará. Nas demais regiões, o céu deve permanecer parcialmente nublado. Para amanhã, há chance de chuva na região Centro-Norte do Estado. Nas demais áreas, céu nublado a claro. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal sistema indutor de chuva no Ceará durante a quadra de fevereiro a maio, mantém uma tendência de aproximação e afastamento da costa cearense, provocando maior ou menor intensidade pluviométrica.

A Funceme, registrou, anteontem, chuva em 77 municípios. As três maiores foram em Ubajara (50mm), Iguatu (49mm) e Ibicuitinga (46mm). Já na Sexta-Feira Santa, foram 82 cidades, sendo as três maiores em Ibiapina (45mm), Quixeramobim (41.8mm) e Ipueiras (39mm).
Os dados são parciais, mas, segundo a Funceme já choveu 48% do esperado para abril, que tem média histórica de 188mm. Em 2016, as chuvas foram reduzidas neste mês, com um déficit de 48%. Em 2017, a quadra chuvosa está bem melhor do que no ano passado, favorecendo o crescimento das culturas de sequeiro, os grãos (milho e feijão) e a pastagem para o gado.

A previsão da Funceme é de chuvas dentro da média histórica para a atual quadra. O órgão não faz análise mês a mês. Para o mês de maio, são esperados 90mm, ou seja, menos da metade da média histórica de abril. No campo, os agricultores estão animados com a possibilidade de uma boa safra de milho e feijão, quadro favorável em todas as regiões do Estado.
A colheita do feijão-verde manteve o seu preço estável durante a Semana Santa. É um dos produtos que integram a cesta básica do cearense. A oferta elevada contribui para a manutenção do preço em torno de R$ 6, o quilo. "A gente espera que baixe a partir desta semana porque há feijão sobrando na feira livre", disse a dona de casa Margarida Alves, moradora de Iguatu.

Aporte
O Portal Hidrológico da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) registrou, nas últimas 24h, aporte de 2,4 milhões de metros cúbicos, em 29 açudes, destacando-se Acarape do Meio, Angicos, Castanhão e Jaburu I. O volume médio atual é de 12,09%, considerando os 153 reservatórios monitorados pelo órgão. Desde a segunda quinzena de março passado que ocorre um aumento no nível médio dos açudes. No momento, há 11 estão sangrando: Acaraú Mirim (Massapê), Caldeirões (Saboeiro), Cauhipe (Caucaia), Itaúna (Granja), Maranguapinho e Itapebussu (Maranguape), São Pedro Timbaúba (Miraíma), Valério (Altaneira), Tijuquinha (Baturité), Gameleira e Quandú (Itapipoca).


Os médios e grandes reservatórios receberam, durante a atual quadra chuvosa, reduzido volume de aporte ou mesmo não registraram nenhuma recarga. Como é o caso do Castanhão, Orós, Banabuiú e Trussu. Esse quadro traz preocupação para todos. A tendência é que a crise de abastecimento nos principais centros urbanos do Estado seja agravada a partir do segundo semestre. O Estado tem 42 açudes em volume morto e 18 que permanecem secos.