RÁDIO PORTAL FM DE CATARINA ONLINE

RÁDIO PORTAL FM DE CATARINA ONLINE - WHATSAPP E CELULAR - (88) 9-8832-5446

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Agricultores pedem assistência técnica e ações contra a seca

 Foto: JL Rosa
Representantes dos agricultores familiares são rápidos em eleger as maiores dificuldades que a categoria enfrenta atualmente no Estado. Para eles, que participaram do II Congresso Estadual de Agricultura Familiar - que se iniciou na quinta (27) e encerrou-se no sábado (29), a estiagem, que já se prolonga há seis anos, juntamente com a falta de assistência técnica na plantação e no manejo dos animais, são os grandes desafios da pequena lavoura. Segundo o coordenador-geral da Federação dos Trabalhadores(as) em Agricultura Familiar do Estado do Ceará (Fetraf-CE), Auri Jr., as principais demandas dos
agricultores familiares são voltadas ao acesso à água para a produção. "A gente precisa discutir, no Ceará, a retomada de um ciclo produtivo, considerando as perdas na produção causadas pela falta de chuva", diz. Ele destaca que algumas regiões do Estado - como o Sertão Central e o Vale do Jaguaribe - enfrentam uma escassez grave de água, seja para a produção ou para consumo humano.
O dirigente destaca que são necessárias políticas públicas de convivência com o Semiárido. "Temos, no Ceará, mais de 600 mil agricultores familiares. Precisamos discutir políticas para que esses agricultores possam continuar convivendo com o Semiárido, produzindo os alimentos, e não deixem o campo em busca da cidade", declara.
O discurso é reafirmado por Luís Francisco, presidente do Sindicato dos Trabalhadores(as) em Agricultura Familiar (Sintraf) de Várzea Alegre, no Cariri. "Hoje, nós estamos precisando muito de água. Muito mesmo", declara. Ele destaca a importância da construção de barragens para perenizar os cursos de água. "Hoje, as cisternas concentram água para o consumo humano. Entretanto, é muito pouco. Uma barragem ou um açude concentra mais água por mais tempo", declara.
Apesar de demandas mais políticas para o enfrentamento à seca, a região de Luís Francisco, o Cariri, ainda conta com mais recursos hídricos do que a de Raimundo Carneiro, presidente do Sintraf de Boa Viagem, no Sertão Central. Perguntado qual era a principal demanda dos agricultores familiares da região, ele foi taxativo: "a principal demanda é água". Ele relata que o Município está com seu principal reservatório seco há cerca de cinco anos, e a cidade está sendo abastecida exclusivamente por carros-pipa. "Neste ano, não chegou a pegar um metro", diz, referindo-se à recarga do reservatório com o período chuvoso.
O dirigente de Boa Viagem também se queixa da falta de assistência técnica. "Nós não temos assessoria técnica. A que temos é pela Emartece (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará), que quase não tem funcionário", diz, afirmando que o órgãos está há décadas sem concurso.
A falta de assessoria técnica para a agricultura familiar, entretanto, não seria uma exclusividade do Ceará. "Cada região tem a sua especificidade. Mas essa questão da assistência técnica é de Norte a Sul", explica Lázaro Bento, coordenador da Confederação Nacional dos Trabalhadores(as) em Agricultura Familiar (Contraf). De acordo com ele, nos casos da assistência e do crédito, muitas vezes, os trabalhadores rurais não conseguem acessá-los, "seja pela burocracia, seja porque o recurso não chega na hora que precisa". Para o dirigente, o acesso a uma assessoria qualificada é central, "seja para o governo federal, seja para os estaduais".
Iniciativas
Segundo o secretário de Desenvolvimento Agrário, Dedé Teixeira (PT), o governo do Estado tem tomado diversas iniciativas nas duas áreas. Ele afirma que, apenas por meio do Projeto São José, estão sendo executadas mais de 500 obras hídricas. A administração também estaria orientando os agricultores sobre como proceder durante a seca, apresentando técnicas de silagem e armazenamento de alimento para os animais. "A nossa secretaria tem foco total nessa questão", diz.
O gestor admitiu que há um déficit de profissionais na Emartece. "Tem pouco mais de duzentos servidores. É muito pouco", diz. Entretanto, ele afirma que o governo do Estado está preparando um concurso público para novos servidores para o órgão.
Opiniões
"A gente precisa discutir a retomada de um ciclo produtivo considerando as perdas causadas pela falta de chuva"
Auri Jr.
Coordenador-Geral da Fetraf-CE
"Na agricultura familiar, está uma pequena porcentagem das terras, mas que representa muito na produção de alimentos"
Lázaro Bento
Coordenador da Contraf