quinta-feira, 24 de maio de 2018

Preço do diesel é congelado por 15 dias para negociações

Image-0-Artigo-2404266-1
Foto - Diário do Nordeste 
A Petrobras informou, na noite de ontem (23), que sua diretoria executiva decidiu reduzir em 10%, equivalente a R$ 0,2335 por litro, o valor médio do diesel comercializado em suas refinarias. Com isso, o preço médio de venda da Petrobras nas refinarias e terminais sem tributos será de R$ 2,1016 por litro a partir desta quinta-feira. Este preço será mantido inalterado por período de 15 dias. Após este prazo, a companhia retomará gradualmente sua política de preços aprovada e divulgada em 30 de junho de 2017. Esta decisão será aplicada apenas ao diesel e tem como objetivo permitir que o governo e representantes dos caminhoneiros tenham tempo para negociar um acordo definitivo para o contexto atual de greve e, ao mesmo tempo, evitar impactos negativos para a população e para as operações da empresa.

A medida é de caráter excepcional e não representa mudança na política de preços da Petrobras. Com esta decisão, a companhia petrolífera acredita que seja possível ao governo federal e aos representantes dos caminhoneiros encontrar uma solução que tenha impacto definitivo nos preços do diesel comercializados no Brasil.
Tributos
"Na visão da Petrobras, esta negociação passa necessariamente pela discussão de reduções da carga tributária federal e estadual incidente sobre este produto, uma vez que representam a maior parcela na formação dos preços do combustível", afirmou a empresa em fato relevante distribuído há pouco.
Novo reajuste
Mais cedo, a estatal tinha anunciado que, com o reajuste que entrará em vigor nesta quinta-feira (24), o preço médio do litro da gasolina A sem tributo nas refinarias será de R$ 2,0306, com queda de 0,62% em relação à média atual de R$ 2,0433 Já o valor médio nacional do litro do diesel A recuou 1,15%, para R$ 2,3083, ante a medida atual de R$ 2,3351.
A nova política de revisão de preços foi divulgada pela petroleira no dia 30 de junho de 2017.
Com o novo modelo, a Petrobras espera acompanhar as condições do mercado e enfrentar a concorrência de importadores