terça-feira, 1 de maio de 2018

Vacinação contra a aftosa começa na sexta-feira no CE

 Foto: Natinho Rodrigues 
A primeira etapa da Campanha de Vacinação contra a febre aftosa, em 2018, começa na próxima sexta-feira, 4, e prossegue até o dia 2 de junho. O lançamento oficial está previsto para segunda-feira (7), no sítio Recreio, em Pindoretama, a partir das 9h30. A expectativa é que, a partir de 2020, todo o Brasil seja considerado área livre de aftosa sem vacinação. "Só faltam quatro campanhas de vacinação para que todo País fique livre de aftosa sem vacinação", disse o coordenador do Programa de Erradicação da Aftosa, médico veterinário Joaquim Sampaio Barros. "O nosso esforço é nesse sentido e com certeza vamos superar as metas de vacinação a partir da adesão de todos os criadores".

A campanha pretende imunizar cerca de 2,5 milhões de animais no Ceará. A meta é vacinar acima de 90% de todo o rebanho de bovinos e bubalinos e atingir acima de 80% das propriedades rurais (unidades de criação).
Anualmente, são duas etapas de vacinação, em maio e novembro, sob a coordenação da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri). Na primeira fase, devem ser imunizados todos os animais, mas na segunda, só os bovinos e bubalinos de até 24 meses. Essa mudança de estratégia começou em 2017, por determinação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).
No próximo mês de maio, o Brasil recebe, em Paris, o certificado de zona livre de febre aftosa com vacinação, outorgado pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), durante a sua 86ª assembleia geral.
Segundo o presidente da Adagri, Jaime Júnior, o Ceará tem feito o dever de casa, em parceria com diversos órgãos e produtores. "Pretendemos realizar, neste ano e no próximo, as últimas campanhas de vacinação.
Os produtores, depois de aplicarem a vacina no rebanho, devem registrar a declaração. Para isso, precisam se dirigir a qualquer núcleo da Adagri, escritório da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce) ou nas prefeituras conveniadas.
O criador tem até 15 dias após o término da campanha para fazer a declaração, mas a aquisição das doses da vacina terá de ser feita até o prazo, que é 2 de junho. "Muitos deixam para os últimos dias e fica aquele corre-corre, mas o importante é que superemos as metas", disse Joaquim Sampaio Barros.
por Honório Barbosa - Colaborador