RÁDIO PORTAL FM DE CATARINA ONLINE

RÁDIO PORTAL FM DE CATARINA ONLINE - WHATSAPP E CELULAR - (88) 9-8832-5446

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

A regularidade das chuvas eleva expectativa de recarga


Voltou a chover entre quarta-feira e ontem. Os dados coletados pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) apontam que choveu em 130 municípios, ficando os três maiores volumes acima dos 100 milímetros: Viçosa do Ceará (127.8mm), Lavras da Mangabeira (102mm) e Tianguá (101mm). Na região da Ibiapaba, no Norte do Estado, as chuvas têm sido cada vez mais comuns, confirmando os prognósticos da Fundação para o período. Além de Viçosa e Tianguá, Graça (75mm), Ubajara (69mm), Ibiapina (68mm) e Pacujá (67,4mm) também foram marcados pelas fortes precipitações registradas nos últimos dias, assim como tem ocorrido no Litoral Norte, sendo os dois maiores acúmulos nas cidades de Granja (80mm) e Uruoca (69mm).

Além de Lavras da Mangabeira, outros nove municípios do Cariri cearense tiveram chuvas acima de 50mm, com destaque para Aurora (87,2mm), Barro (81,2mm) e Juazeiro do Norte (70mm). Segundo o supervisor da Unidade de Tempo e Clima da Funceme, Raul Fritz, a tendência dos próximos dias é que as chuvas sejam mais amplas e distribuídas pelo Estado; intensas, em algumas regiões, e fracas, em outras, mas persistentes.
Zona de Convergência
"Isso se dá por conta da influência da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal sistema meteorológico atuante na Quadra Chuvosa, que se estende até maio, assim como da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), principalmente no Cariri", afirma Fritz, e complementa: "a partir da segunda quinzena de fevereiro, espera-se que as precipitações ocorram com maior frequência em todo o Estado".
Ainda segundo Fritz, no primeiro prognóstico das chuvas divulgado pela Fundação, no dia 22 de janeiro, o Norte do Ceará, assim como a região de serras, entre elas o Maciço do Baturité, apresentaram forte propensão a receber chuvas acima da média, como afirmam os modelos e indicadores estudados pelos meteorologistas. Diferentemente da região Sul, onde, de acordo com Fritz, "observamos que a tendência é de chuvas em torno da média, com notada irregularidade. Mas, dentro dos prognósticos para o Norte, conseguimos ver uma tendência de continuidade de chuvas, até o próximo dia 15. Mesmo com essas diferenças, podemos afirmar que já estamos no inverno, no Ceará", finaliza.
Açudes
Se as precipitações marcam a chegada da tão esperada Quadra Chuvosa, que dirá as pequenas, mas já observáveis mudanças no volume de alguns açudes, que acendem a esperança de dias melhores para a oferta de água no Ceará para os próximos meses. No último levantamento feito nessa quinta-feira (8), pelo Portal Hidrológico do Ceará, foi registrado aporte em 47 açudes.
Neste período, houve um aumento de 4.377.545 m³ no volume total armazenado. Ainda segundo os dados do Portal, considerando a estimativa do volume evaporado e o volume liberado neste período, pode-se afirmar que houve um aporte de 5.169.295 m³. Um bom exemplo dessa mudança é o Açude Gangorra, a cerca de 10Km da sede de Granja, no Norte do Estado.
Marcado pela forte estiagem dos últimos anos, o açude, que já chegou a apresentar 12% de capacidade, figurou em segundo, na relação dos dez que tiveram alteração com as últimas chuvas. Angicos, em Coreaú; e Itaúna, também em Granja, ficaram em primeiro e terceiro.
Lazer
O Gangorra deságua no Rio Coreaú, na histórica Barragem Lima Brandão, criada em 1890, e que abastece a cidade. Com as chuvas frequentes que ajudaram a sangrar a barragem, o local voltou a fazer parte do lazer dos granjenses. Para Bartolomeu Almeida, gerente da Companhia de Gestão de Recursos Hídricos de Sobral, que gerencia os açudes da região, "o momento é de expectativa e cautela, quando se fala em aporte, nesse período.
Na região Norte, tivemos caso de algum aporte ou estabilidade. Apesar das chuvas, observamos que alguns açudes não pegam muita água, a exemplo do Carão (Tamboril) e o Farias de Souza (Novas Russas), secos, só para citar a Bacia do Alto Acaraú, assim como o Araras (Varjota), que mantém sua perenização encerrada, atendendo somente o consumo humano", diz com preocupação